Notícias - Reportagem flagra a venda do veneno chumbinho em Florianópolis

Produto é comercializado a R$ 10 em uma agropecuária Depois que cinco de seus nove gatos foram envenenados, o empresário Júlio Crescêncio colocou a casa no bairro Ingleses, em Florianópolis, à venda. Ele diz que os animais foram vítimas de estricnina e chumbinho, esse último vendido sem burocracia em uma agropecuária, como constatou a reportagem da RBS TV. O caso de Júlio é investigado pela Polícia Civil, que já instaurou um inquérito, mas ainda não sabe quem pode ter envenenado os gatos. Com uma câmera escondida, a reportagem comprovou que qualquer pessoa pode comprar a substância. O repórter entrou em uma agropecuária de Florianópolis e pediu o veneno no balcão. Primeiro, a comerciante acredita se tratar de chumbinho para arma de pressão, mas quando o suposto comprador esclarece, logo ela responde: — Eu tenho, mas não tenho. Porque não pode vender. O produto fica escondido dentro de um balcão e custa R$ 10. Ao entregar para o suposto cliente, a comerciante ainda dá dicas de dosagem para se matar um rato, gato ou cachorro. Mas salienta: — Isso aí tu cuida tá? Dá até questão de polícia. E tu nunca comprou aqui, tu nunca me viu. No dia seguinte, a reportagem procurou a comerciante que primeiro negou vender chumbinho. Depois, ela assumiu o fato e disse não ser a única. Ela mandou que a reportagem procurasse seu advogado, que disse apenas que a cliente não vai se manifestar sobre o assunto. Penalidade O gerente da Vigilância Sanitária, Thiago Monteiro, informa que será lavrado um auto de infração contra o estabelecimento, cuja pena pode variar de multa de R$ 125 a R$ 500 mil. Ele explica ainda que o caso é passível de interdição do comércio e que serão notificados os demais órgãos competentes como Ministério Público e policiais Civil e Federal. O veterinário Moisés Roberto adverte que mesmo uma pequena quantidade de chumbinho é letal, tanto para animais, quanto para seres humanos. Fonte: Jornal de Santa Catarina – 11/05/2010